Sem categoria

Duda Fuça explora acervo do Palácio dos Bandeirantes em websérie infantil





No novo episódio, mascote da Secretaria da Cultura visita o vasto acervo do Palácio dos Bandeirantes, no bairro do Morumbi



O Palácio dos Bandeirantes completa, neste mês de abril, 59 anos como a sede do Governo de São Paulo. Ao longo dessas quase seis décadas, criou-se uma coleção de histórias que ajudam a preservar a memória artística e cultural do estado. A ideia é conectar a tradição e o passado do Governo do Estado com a contemporaneidade e aproximá-los da população.

São cerca de 4 mil itens espalhados pelas salas, corredores e salões: pinturas, esculturas, desenhos e gravuras, móveis, conjuntos de louças, prataria e tapeçaria dos séculos 17 ao 21. No final da década de 1970, o edifício foi aberto à visitação pública, assumindo sua vocação de palácio-museu.

Em seu acervo estão alguns dos mais importantes artistas divididos em macrotemas de artes: moderna, contemporânea, sacra, acadêmica e decorativas. Quanto aos artistas, grandes nomes como: Tomie Ohtake, Tarsila Do Amaral, Maria Bonomi, Aleijadinho, Candido Portinari, Alfredo Volpi, Djanira, Debret, Pedro Américo, Oscar Pereira da Silva, Alex Flemming, outros, unindo pinturas, desenhos, gravuras e esculturas.

Se é Cultura, a Duda Fuça

A apresentadora da websérie, a personagem “Duda Fuça”, é inspirada em uma menina apaixonada por cultura e que quer conhecer a história de cada lugar. Por isso, ela leva as crianças para uma viagem de conhecimento e diversão pelos espaços icônicos e culturais de todo o Estado.

Nos episódios anteriores, a mascote já visitou a icônica Sala São Paulo, um dos prédios mais emblemáticos da capital paulista; o Museu Catavento, com suas diversas áreas temáticas e atrativas; o universo circense no Mundo do Circo SP; o Museu Afro Brasil Emanuel Araujo, compondo as ações pelo Dia da Consciência Negra; o Museu Casa de Portinari, em Brodowski, interior do estado; a Casa das Rosas, com a mostra especial de 60 anos da Mônica; e a exposição sobre o Chaves, no MIS.